RENASCIMENTO

Uma Segunda Chance, Uma e Outra Vez

por Dr. Ramesh Bijlani

É o renascimento que dá ao nascimento de um ser incompleto em um corpo sua promessa de completude e seu significado espiritual.

Sri Aurobindo (“A Vida Divina”, Edição SABCL, p. 764)

Muitas vezes nos perguntamos se todos nós temos uma alma, que é uma centelha do Divino, porque existe uma gama tão ampla de caráter humano, do cruel ao compassivo, do avarento ao generoso e do egoísta ao altruísta. A variedade pode ser explicada em termos de até que ponto a divindade inerente a cada um de nós se expressa. Além disso, o Vedanta nos ensina que cada indivíduo está em uma jornada semelhante enquanto vive uma vida humana neste mundo, sendo o propósito da jornada expressar mais de sua divindade oculta. Cada passo que uma pessoa dá em direção ao cumprimento do propósito da vida a aproxima da meta, que é expressar plenamente a divindade. Aproximar-se do objetivo também é chamado de crescimento espiritual ou elevação da consciência. O Vedanta também nos assegura que a jornada poderia não ser, e geralmente não pode ser, completada em uma única vida, mas eventualmente todos irão completá-la em alguma vida subsequente.

Quando uma alma encarna pela primeira vez como ser humano, esse ser humano se comporta de maneira pouco diferente de um animal; às vezes até pior do que um animal. Nesta fase, a pessoa não é capaz de perseguir o verdadeiro propósito da vida. Para ela, o propósito da vida é comer, beber e se divertir. Sua vida consiste em atos aleatórios feitos sem qualquer consideração consciente da implicância para seu nível de consciência. Mesmo assim, o resultado pode ser que, no final da vida, sua consciência esteja em um nível ligeiramente superior ao nível em que chegou ao mundo. Só depois de várias vidas ela chega ao mundo em um nível de consciência capaz de visualizar o verdadeiro propósito da vida. Agora ela evoluiu o suficiente para ouvir o chamado do céu.

Imagine uma árvore à qual uma pessoa está amarrada com uma longa corda. Há alguém gentil, amoroso e poderoso escondido atrás da árvore, lenta e constantemente puxando a corda para que a pessoa eventualmente se junte à árvore. Mas a corda é tão longa que a pessoa pode correr livremente sem poder ver a árvore ou sentir a atração por ela. Seus movimentos são feitos sem qualquer senso de direção. Ela apenas corre onde encontra um objeto atrativo ou onde se sente desejada. Ela pode passar a vida inteira assim, mas como a corda vai sendo puxada devagar, no final da vida a corda fica um pouco mais curta. Isso pode durar várias vidas. Cada vez que ela renasce, ela é amarrada à corda que é tão longa quanto era no final de sua vida anterior. Isso continua até que, em alguma vida posterior, a corda é tão curta que ela pode ver a árvore e sentir o puxão. A árvore está carregada de frutos. Ela se sente atraída pela árvore e começa a caminhar em direção a ela. Usar seu livre arbítrio para fugir da árvore cria tensão, enquanto caminhar em direção à árvore alivia a tensão por um lado e traz alegria por outro. Portanto, ele não usa mais seu livre arbítrio para perseguir objetivos frívolos. Ele agora aspira a se fundir com a árvore. Ele começa a usar seu livre arbítrio para caminhar em direção à árvore. Ela passa a colaborar conscientemente com o Ser que a puxa para a árvore há várias vidas. Finalmente, ela está tão perto da árvore que pode ver quem a estava puxando. Agora, ela se esquece de tudo, até mesmo do fruto da árvore, e se perde no êxtase do abraço poderoso desse Ser bondoso e amoroso. Isso é união com o Divino. A união com o Divino não é apenas o objetivo da vida, é também o objetivo do yoga.

Embora perseguir o verdadeiro objetivo da vida seja natural para todos depois de evoluir até um certo nível através de várias vidas, geralmente é preciso um gatilho. O gatilho pode ser uma crise na vida, um período prolongado de estresse intenso, um evento traumático súbito e inesperado ou uma “mão forte” que nos puxa para cima. A “mão forte” pode aparecer por meio de um encontro “casual” com uma pessoa inspiradora ou pela descoberta de um livro que mudou nossa vida (como este!). Quanto mais cedo o gatilho vier, melhor. Mas o gatilho é apenas uma oportunidade. Nem todo mundo usa o gatilho como uma oportunidade para dar um novo rumo à vida. A pessoa receptiva a um gatilho é aquela que chegou ao mundo em um alto nível de consciência. Na vida de tal pessoa, o melhor momento para obter o gatilho seria a infância. Um pai, parente ou professor inspirador pode se tornar aquele gatilho cujo dedo uma criança receptiva segura com entusiasmo.

Acredita-se comumente que «karmas positivos» levam a «resultados positivos» e, portanto, uma pessoa que passou esta vida fazendo boas ações se sentirá mais confortável nesta vida, bem como nas vidas subsequentes. Sim, os karmas têm consequências e os bons karmas têm boas consequências. Mas ‘»boas consequências» podem não ser necessariamente boas em termos da lógica humana. Em termos espirituais, as «boas consequências» são aquelas que conduzem a um maior crescimento espiritual. Para uma determinada pessoa, condições fisicamente confortáveis ​​podem não ser as mais propícias para um maior crescimento espiritual. O valor das condições para o crescimento espiritual depende do tipo de experiência que elas podem proporcionar. Todo o crescimento espiritual requer uma variedade de experiências. O tipo de experiência disponível para uma pessoa rica é diferente daquela disponível para uma pessoa pobre. Suponha que uma pessoa rica tenha usado bem esta vida, compartilhando generosamente sua riqueza com os pobres. Essa pessoa usou sua experiência de ser rico adequadamente para o crescimento espiritual. Para obter outro tipo de experiência, ele pode nascer pobre na próxima vida.

Aqui está um exemplo do tipo de experiências disponíveis apenas para uma pessoa pobre. No romance de Dominique Lapierre «The City of Joy», uma família pobre de Bihar viaja para Calcutá em busca de trabalho. O homem espera encontrar um emprego como puxador de rickshaw. Quando este homem, sua esposa e filhos chegam a Calcutá, eles começam a procurar um lugar para ficar. Para eles, alugar uma casa é impossível; então, eles começam a procurar um lugar na calçada. Em cada calçada que eles passam, já há muitas famílias hospedadas. Quando as pessoas que já ocupam a calçada veem essa nova família chegando, ficam na defensiva: “Já somos muitos nessa calçada. Não há lugar para outra família. Por favor, encontre outro lugar.” Finalmente, esses recém-chegados acham uma calçada onde descobrem alguém mais atencioso que convence seus companheiros a se moverem um pouco cada um para criar espaço para essa nova família. Ao assumir a liderança na criação de espaço para essa nova família, essa pessoa usou a experiência para seu crescimento espiritual. Muitos outros antes dele tiveram a mesma oportunidade, mas não a usaram. O tipo de experiência que proporcionou essa oportunidade está disponível apenas para uma pessoa pobre. Portanto, uma pessoa rica que fez um bom progresso espiritual por meio de bons karmas pode ser uma pessoa pobre na próxima vida, de modo que possa obter outros tipos de experiências. Um rei cujos karmas foram bons não nasce necessariamente como um imperador na próxima vida; pode nascer pobre.

No entanto, após um certo grau de progresso espiritual, as «boas» condições também são asseguradas na próxima vida. No Gita, Arjuna pergunta a Krishna sobre o destino da pessoa no caminho do yoga que não conseguiu terminar a jornada espiritual. Ela não sentirá falta tanto da bem-aventurança da espiritualidade quanto da emoção dos prazeres sensoriais?, pergunta Arjuna (O Gita, 6:37-39). Krishna dá uma resposta muito tranquilizadora, dizendo a ele que nenhum passo dado no caminho do yoga é em vão. Uma boa pessoa que não completou a jornada do yoga renasce na família dos puros, dos prósperos ou dos Yogis. Em virtude das práticas e desenvolvimentos de vidas passadas, essa pessoa nasce com certas inclinações e tendências. Portanto, ela segue o caminho do yoga mais uma vez como um peixe que mergulha na água e completa a jornada da vida.

Como o resto do Vedanta, a ideia do renascimento também se baseia nas experiências dos rishis. Achamos difícil acreditar no renascimento porque a maioria de nós tem uma consciência mental que ignora as vidas passadas que vivemos. A ideia do renascimento torna-se ainda mais aceitável porque existem algumas pessoas únicas que nascem com habilidades psíquicas que lhes permitem lembrar uma parte de algumas de suas vidas anteriores, e os detalhes que deram foram verificados. A razão pela qual o Divino deu o conhecimento de vidas passadas a alguns de nós talvez seja para convencer o resto de que o renascimento é uma realidade. Porque o Divino não deu esse conhecimento a todos nós talvez seja bom para a maioria. Uma criança que começa do zero terá mais facilidade de progredir na escola do que aquela que vem com uma bagagem de muitos conhecimentos irrelevantes e indesejados. A Terra é como uma escola, onde devemos crescer espiritualmente por meio de experiências nesta vida. Portanto, chegar com o conhecimento desnecessário de vidas anteriores tornará o aprendizado desta vida ainda mais difícil.

Pensamentos finais

Viver conscientemente, sempre tendo em mente o propósito da vida, nos ajuda nesta existência, dando-nos saúde, felicidade e realização, e também nos ajuda na próxima vida, dando-nos uma vantagem. Os sábios que são capazes de alcançar o objetivo final da vida em uma única existência são aqueles que fizeram muito trabalho interior em vidas anteriores e precisam apenas de alguns toques finais nesta vida.

Se uma pessoa acredita ou não no renascimento não faz muita diferença. O mais importante em ambos os casos é aproveitar ao máximo esta vida, que não é uma questão de crença, mas uma realidade para todos nós. A crença no renascimento não deve nos tornar complacentes porque «há muitas vidas disponíveis». Com essa atitude, é possível desperdiçar todas as existências que ganhamos. No entanto, a crença no renascimento nos permite aliviar a ansiedade sobre o objetivo final, porque a ideia do renascimento nos garante que esta vida não é o fim. Teremos uma segunda chance, uma e outra vez. No entanto, quanto mais longe for a jornada que percorrermos nesta vida, mais felizes seremos, mais próximos estaremos da meta quando começarmos a próxima vida na Terra e mais felizes seremos onde quer que estejamos entre uma existência e a seguinte.

Traduzido por NB Traduções.

(Ensaios relacionados: Morte, Karma, Vida, Vedanta, Yoga)