RECEPTIVIDADE

O que torna o receptáculo pronto para receber?

por Ramesh Bijlani

A aspiração suscita uma resposta, e esta resposta, o efeito, que é o resultado da aspiração, depende de cada um, pois depende da sua receptividade.

A Mãe (A Grande Aventura, p. 138)

Quarenta alunos assistem à mesma aula, mas apenas alguns conseguem chegar ao coração da lição. Algumas centenas de milhares de pessoas vivem a poucos passos do Sri Aurobindo Ashram – Delhi Branch, mas apenas um punhado caminha até lá, mesmo quando não há confinamento. Milhões de pessoas vêem mendigos do lado de fora dos templos, mas apenas um Narayan Krishnan muda os planos de sua vida para alimentá-los*. É como se houvesse muita positividade por aí rotulada com «a quem possa interessar», e aqueles que se interessam estão exclusivamente equipados para recebê-la, assim como a televisão está exclusivamente equipada para receber o que é transmitido.

O que prepara uma pessoa para estar especialmente receptiva ao despertar espiritual, ao chamado do transcendente? Cada alma individual está em uma jornada evolutiva. Quando uma alma encarna como ser humano na Terra pela primeira vez, o indivíduo pode se comportar quase como um animal, como era na vida anterior. Mas, como ser humano, ele tem livre arbítrio, que pode usar ao longo da vida para fazer escolhas, algumas das quais elevam a consciência e outras a diminuem, e talvez ele possa deixar o mundo em um nível de consciência superior ao aquele com o qual ela chegou. Isso se prolonga por várias vidas, e finalmente ela chega como um ser humano que possui um nível de consciência que a diferencia da média de sua espécie. Ela pode ser do tipo «estranho», «boa demais», «não se encaixa no mundo». Ela não vive para comer, ela come para viver. E ela é muito receptiva ao que pode causar um despertar. O gatilho é o chamado do transcendente. Ela agora sabe como tem que viver, porque tem que viver dessa maneira, ela gosta de viver dessa maneira, e essa é a única maneira pela qual ela pode viver. Em suma, ela está agora no caminho espiritual. Assim como ela foi receptiva ao chamado, ela também está receptiva ao contato com aquele que estava destinado a ser seu Guru. Agora ela trilha o caminho espiritual segura na orientação, na proteção e, acima de tudo, na Graça do Guru.

O despertar espiritual muitas vezes vem através de um infortúnio, um acontecimento traumático, que torna a pessoa miserável e desamparada. Mas às vezes isso acontece por sorte, como aconteceu no caso de Mani Bhaumik que, depois de ficar intoxicado pelo sucesso material, um dia de repente teve uma sensação incômoda de estar superalimentado e subnutrido ao mesmo tempo – superalimentado com bens materiais, progresso, nome e fama; e desnutrido espiritualmente. O despertar leva a uma aspiração por descobrir o que é verdadeiramente Eterno, Infinito; por descobrir como eu, como indivíduo, estou relacionado com essa Realidade Absoluta; e por dar sentido e direção à vida que se basearia nessas descobertas. Quanto mais intensa e sincera a aspiração, mais eficaz é a Graça Divina porque a intensidade e a sinceridade da aspiração aumentam a receptividade. Seguindo a pista de um dos versos de Kabir, a Graça Divina está sempre lá, mas é como açúcar misturado a um monte de areia. Um elefante não consegue encontrar o açúcar, mas uma formiga consegue, porque a formiga tem receptividade ao açúcar. Da mesma forma, não é a riqueza de um milionário ou o intelecto de um gênio que dá receptividade. É a evolução espiritual ao longo de várias vidas que dá aspiração; e é a aspiração, que até uma pessoa simples e ignorante pode ter, que cria receptividade.

* https: //edition.cnn.com/2010/LIVING/04/01/cnnheroes.krishnan.hunger/index.html

Traduzido por NB Traduções.

Uma versão anterior foi publicada como editorial na edição de junho de 2020 de «The Call Beyond», a revista on-line mensal do Sri Aurobindo Ashram – Delhi Branch. Para receber a revista  mensalmente, envie um e-mail para callbeyond@aurobindoonline.in