HATHA YOGA

Hatha Yoga: Mais Para o Corpo do que Para a Mente

por Ramesh Bijlani

O Hathayoga seleciona o corpo e o funcionamento vital como seus instrumentos de perfeição e realização; sua preocupação é com o corpo denso.

Sri Aurobindo

Yoga é a busca pelo autoaperfeiçoamento. A autoperfeição pode ser vista desde vários ângulos: físico, emocional ou intelectual. A escola de yoga que foca na perfeição física é o Hathayoga. Os textos clássicos de hatha yoga são Hathayogapradīpīkā e Gheraṇḍa Saṃhitā. As principais técnicas utilizadas pelo Hathayoga são Asanas (posturas) e pranayamas (disciplinas respiratórias). Como as pessoas recorrem ao yoga principalmente para se manterem em boa forma ou para se livrarem de doenças físicas, o Hathayoga é extremamente popular. Porém, a perfeição em qualquer área é um trabalho de tempo integral. Dominar o Hathayoga leva todo o tempo de que se dispõe e o processo pode durar para sempre. O domínio do Hathayoga não só confere força física, juventude prolongada e longevidade, mas também pode proporcionar a capacidade de realizar proezas físicas que beiram o milagroso, como andar sobre o fogo, viver com muita pouca comida ou ar, etc. A associação do Yoga com tais feitos é o que lhe conferiu a duvidosa reputação de ser um truque ou um tipo de exibição acrobática. A pessoa comum não está interessada em realizar tais façanhas e se pergunta qual é a utilidade de gastar 24 horas por dia para adquirir um corpo saudável se isso não deixa tempo para usar esse corpo saudável nas atividades diárias. Portanto, o que é mais adequado para a pessoa média é uma sequência de quinze a vinte posturas e três ou quatro pranayamas cuidadosamente selecionados, que podem ser realizados em cerca de uma hora e manteriam a pessoa razoavelmente em forma.

Embora o conhecido clássico do yoga, os Yoga Sutras de Patanjali (YSP), não trate do Hatha Yoga, ele dedica algumas linhas valiosas aos asanas. Ele explica que um asana deve ser firme e confortável (YSP, 2:46). Refere-se à posição final do asana, em que o corpo fica em estado de intenso alongamento. Mas mesmo que você esteja num estado de alongamento intenso, você deve permanecer firme, não vacilante; e confortável, sem dor. Portanto, o alongamento de um asana é um alongamento agradável. Ele então explica que ao relaxar o esforço e meditar no Infinito, o asana se torna uma experiência prazerosa (YSP, 2:47). A chave para desfrutar do alongamento é meditar no Divino, no Infinito, que por sua vez relaxa o esforço. Isto tem dois aspectos: um fisiológico e um espiritual. Fisiologicamente, o esforço é necessário para um movimento, não para manter uma postura. Por exemplo, se uma pessoa que está sentada se levanta, é necessário um esforço muscular para mudar de postura. Mas logo depois de se levantar, para os músculos envolvidos no movimento, o seu novo comprimento torna-se o seu novo comprimento de repouso, e os músculos não precisam de trabalhar. É por isso que um funcionário pode ficar sentado por horas e um segurança pode ficar em pé por horas, sem precisar de nenhum trabalho muscular nas pernas para manter a postura. Resumindo, como diz Patanjali, depois de passar para a posição de alongamento intenso, o esforço pode ser relaxado. Espiritualmente, não apenas o esforço pode ser relaxado, mas o asana também pode se tornar prazeroso se a pessoa trouxer consciência para o Divino. Afinal, o asana não se destina principalmente à preparação física. O asana consiste em converter o corpo e a mente em instrumentos adequados para realizar a vontade divina. Asana é uma oração com o corpo. Com essa atitude, o esforço fica mais fácil para relaxar e o alongamento torna-se prazeroso. Falando de Pranayama, ou controle da força vital, Patanjali diz que o véu interno que cobre a divindade torna-se fino (YSP, 2:51-52). Portanto, o Divino, embora dentro de nós, mas efetivamente oculto, torna-se mais fácil de ver.

Explicando o processo do Hathayoga, Sri Aurobindo diz que a imobilidade durante os Asanas ajuda a eliminar a inquietação do corpo. Conservar a energia prânica (força vital) em vez de dissipá-la e desperdiçá-la permite ao indivíduo tomar consciência da força vital e direcioná-la para qualquer parte do corpo. O processo se completa com pranayamas, pois a respiração é a chave da força vital. É por isso que o praticante avançado de Asanas e pranayamas está consciente do funcionamento interno do corpo e pode controlá-lo. Na síntese das diferentes escolas de yoga de Sri Aurobindo, conhecida como Yoga Integral, o princípio central do Hathayoga foi incorporado. O corpo é a base material do indivíduo e o denso envoltório das partes sutis do ser. Sem a base material, nem mesmo a mente pode funcionar, porque a consciência precisa de um instrumento para se manifestar, e esse instrumento é o cérebro. Portanto, o corpo é o principal componente do complexo corpo-mente, que é o nosso instrumento de ação no mundo. Além disso, o corpo também é uma manifestação do Divino. Portanto, o corpo não deve ser negligenciado, mas sim transformado para que possa ser um instrumento digno da manifestação do Divino. O corpo nos foi dado com um propósito. Precisamos dele para cumprir o propósito da vida através de ações corretas. A Divindade nos dá o corpo, e a Divindade nos dá habilidades únicas para realizar certos tipos de trabalho, e a Divindade também nos dá as condições e circunstâncias para realizar o trabalho através do qual podemos cumprir o propósito da vida. O mínimo que podemos fazer é cuidar bem do corpo para que ele continue funcionando por muito tempo. Se um gerente tem que cuidar de uma fábrica, o mínimo que ele pode fazer é controlar a limpeza, a lubrificação e o conserto do maquinário para que ele continue funcionando por muito tempo. Somos os administradores do corpo que seu dono, a divindade, nos confiou para administrar e usar. Portanto, no yoga, cuidar do corpo é um dever sagrado. Não podemos assumir a posição: “Meu corpo é problema meu; se quero fumar e beber porque gosto e não me importo de morrer cedo, o que há de errado?

Os textos clássicos de hatha yoga não se concentram em façanhas milagrosas nem restringem sua preocupação ao corpo. Eles ligam os aspectos físicos do yoga aos aspectos mentais e espirituais, o que é inevitável porque o corpo e a mente estão intimamente relacionados e ambos são instrumentos da essência divina do indivíduo. Mas nas versões atualmente populares do hatha yoga, o foco está quase inteiramente no corpo. Além disso, os asanas são frequentemente modificados para parecerem mais aeróbicos, a fim de atrair a mente moderna, amante da velocidade. O Yoga não proíbe a inovação, mas a imobilidade do corpo é essencial para curar a inquietação. Como o hatha yoga pode curar a inquietação se a própria prática a alimenta? Portanto, embora o yoga seja muito popular agora, o seu crescimento em popularidade teve um custo. O que é ensinado em nome do yoga é muitas vezes uma versão descontroladamente truncada, altamente diluída e altamente distorcida desta grande disciplina holística.

(Ensaios relacionados: Asanas, Yoga Integral, Pranayama, Raja yoga, Yoga)

Traduzido por NB Traduções.