GENEROSIDADE

Feliz em Dar

por Ramesh Bijlani

Generosidade é encontrar a própria satisfação na satisfação dos outros.

A Mãe

Há uma história de um local de culto onde uma tigela circulava em uma reunião para arrecadar dinheiro para a manutenção do local. O padre disse aos presentes que eles poderiam contribuir com qualquer quantia que não os prejudicasse. Uma pessoa não colocou dinheiro algum na tigela porque, disse ele, “a simples ideia dói”. A generosidade é uma atitude. As atitudes dependem da personalidade. A personalidade tem três componentes básicos. Tamas, o princípio da ignorância e da inércia; Rajas, o princípio das paixões, desejos e atividades; e Sattva, o princípio do conhecimento, do pensamento desapaixonado baseado em valores, e da harmonia. Em cada um de nós estes três componentes estão misturados em diferentes proporções; a proporção pode mudar temporariamente em diferentes situações; e a proporção pode mudar permanentemente através do esforço pessoal.

Pode-se associar a generosidade a sattva, mas isso não é totalmente verdadeiro. A generosidade tamásica pode levar a dar a uma pessoa que não merece, ou por uma causa errada, ou por uma razão errada, devido a um pensamento ignorante ou confuso. O que pode parecer generosidade também pode ser resultado da preguiça, que é uma característica tamásica. Por exemplo, se uma pessoa dá generosamente a um mendigo na esperança de que o bom Karma o torne milionário da noite para o dia, sem fazer nenhum trabalho, isso reflete tanto o pensamento confuso quanto a preguiça. A generosidade rajásica visa mimar o ego. A pessoa é generosa, mas não faz segredo disso, e usa isso descaradamente, não apenas para ganhar aplausos, mas também pode usá-lo para estar nos bons livros de pessoas poderosas que podem ajudá-lo a realizar ambições mundanas. A generosidade sáttvica leva a dar à pessoa certa, pelo motivo certo, na hora certa. A pessoa faz um esforço externo para manter em segredo o ato generoso e também faz um esforço interno para impedir que sua generosidade aumente seu ego.

A generosidade tem pouco a ver com riqueza. Uma pessoa pobre pode ser generosa; uma pessoa rica pode não ser. Uma pessoa pobre não pode dar muito, mas pode dar um pouco, mesmo que doa. O paradoxo é que mesmo quando dar prejudica financeiramente a pessoa, isso a deixa feliz. Uma pessoa rica pode não dar nada, mesmo tendo a possibilidade de dar muito. Ela economiza dinheiro, mas ainda está infeliz. A Mãe disse que a ironia é que os pobres, em geral, são mais generosos que os ricos. Talvez essa seja uma das razões pelas quais os ricos não são necessariamente felizes. A Mãe assegurou que “se alguém tem uma natureza generosa que dá tudo de sí, nunca será infeliz”. Além disso, não é apenas com dinheiro que se pode ser generoso.

Pode-se ser generoso com o tempo, o conhecimento, e com praticamente tudo que a pessoa tem e que outra pessoa precisa. A Mãe também falou da generosidade moral. A generosidade moral é uma felicidade genuína e pura pelo sucesso de um amigo.

A verdadeira generosidade é uma expressão do amor. O amor é uma força unificadora. Consequentemente, o amor dissolve a fronteira entre dois indivíduos. O amor leva a dar com base na necessidade. Se a satisfação dessa necessidade magoaaquem dá, a dor é aceita de bom grado. É esse tipo de amor que torna os pais generosos com os filhos. Uma pessoa que foi além do ego; além de tamas, rajas e sattva, não encontra fronteira entre ele e o resto da criação. Portanto, ele acha fácil ser generoso com qualquer pessoa que esteja por perto. Para ele, o que importa é a sua capacidade de dar e a intensidade da necessidade. O relacionamento não importa; ou melhor, ele está relacionado com todos. Vasudhaiva kutumbakam: o mundo é de fato uma família.

(Ensaios relacionados: Caridade, Presente, Gunas)

Traduzido por NB Traduções.